Por ocasião da realização do 10.º Fórum Internacional sobre o Investimento e Construção de Infraestruturas (adiante designado por Fórum), foi organizada uma sessão especial de recepção destinada a promover, de forma aprofundada, a cooperação e o intercâmbio entre as empresas do Interior da China e de Macau. As empresas participantes nesta edição do Fórum reconheceram, sem discrepâncias, os resultados adquiridos durante o decorrer do evento, acreditando que o conhecimento antecipado de oportunidades de negócio será favorável para a expansão das suas actividades.

A sessão de recepção entre as empresas do Interior da China e de Macau convidou representantes de 13 entidades colaboradoras da parte de Macau na presente edição do Fórum, provenientes dos serviços governamentais, do sector industrial e comercial, do sector de diásporas, do sector financeiro e do sector de construção civil de Macau, para procederem o intercâmbio com empresas do Interior da China, tendo atraído a participação de mais de 70 convidados. O Sr. Zhang, responsável de uma empresa dedicada à construção do Interior da China, referiu que, através da participação na sessão de recepção, comunicou com um bom número de empresas, instituições e associações relevantes de Macau. Sublinhou ainda que a sua empresa participa no Fórum há muitos anos e que instalou novamente o seu próprio stand no recinto desta edição, através do qual apresentou o soft power da empresa, dando a conhecer melhor às entidades participantes de todo o mundo a forma como as empresas públicas centrais da China concretizam a estratégia nacional de “sair para aprender e investir”.

O Sr. Chan, representante de uma empresa empenhada em desenvolvimento de construção e de materiais de construção de Macau, afirmou que as empresas de Macau e do Interior da China podem procurar parceiros “de perto”, aumentando a possibilidade de descoberta de oportunidades de negócio mediante a participação na sessão de recepção. O Sr. Chan adiantou que houve muitas empresas públicas centrais e civilian-run enterprises de grande dimensão que participaram no Fórum. A sua empresa pretende neste momento expandir o negócio para o continente africano, por isso, está a procurar parceiros confiáveis para desenvolver as respectivas tecnologias na África. Durante a presente edição, o Sr. Chan conseguiu estabelecer relações de cooperação com uma associação comercial moçambicana, tendo sido convidado para assumir o cargo de primeiro representante dessa associação em Macau. O Sr. Chan acredita que a medida irá promover trocas comerciais sino-moçambicanas, ajudar na implementação dos projectos de cooperação, reforçar a interconexão de informações, fomentar intercâmbios bidireccionais e materializar as funções de Macau enquanto plataforma de serviços de comércio entre a China e os países lusófonos. Por sua vez, o Sr. Julião Dimande, representante da referida associação comercial de Moçambique, manifestou a sua esperança de que se estabilizem as relações de cooperação entre as duas partes, através da tomada de posse do representante da associação em Macau, nomeadamente a cooperação nas áreas de agricultura, de Infraestruturas, de turismo, de energia e de serviços, para além de que se introduzam tecnologias sofisticadas e experiências das empresas chinesas nos países africanos.   

A par disso, foram disponibilizadas zonas de exposição e de negociações empresariais no recinto do Fórum. O Sr. Cui, responsável de uma empresa na área dos acessórios de casa de banho, indicou que foi a segunda vez que a sua empresa participou na exposição. O Sr. Cui salientou que conheceu muitos homólogos de Macau através da sessão de recepção, do intercâmbio empresarial, dos stands, entre outras actividades, inclusive a interacção e o intercâmbio com os expositores moçambicanos e angolanos, afirmando que o evento favorece o intercâmbio e a cooperação do sector entre diversas regiões. O Sr. Cui revelou ainda que a sua empresa está a pensar em estabelecer uma parceria com uma das empresas em contacto, a fim de expandir os negócios para o mercado macaense. Ele reconheceu os resultados obtidos pela realização desta edição do Fórum e manifestou a disponibilidade para a próxima participação.

O Sr. Wong, responsável cantonês de uma empresa de engenharia de energia, referiu que, no ano passado, participou pela primeira vez no Fórum e já obteve algum resultado. Por intermediário de uma associação de Macau, conseguiu chegar a um acordo de cooperação preliminar relativo à construção de uma central de energia fotovoltaica com Moçambique. A participação de novo da sua empresa, neste ano, visou procurar cooperação com empresas estatais e centrais de grande escala. Durante o percurso do Fórum, teve oportunidade de fazer contactos e de realizar negociações com várias empresas e alcançou resultados satisfatórios. O Sr. Man, representante da referida associação macaense que promoveu a respectiva cooperação, por seu turno, apontou que deve a assinatura de um acordo às vantagens trazidas pelo empenho da plataforma sino-lusófona por parte de Macau. Espera-se que, em resposta à iniciativa “Uma Faixa, Uma Rota” e às políticas da Grande Baía, se possa ajudar mais empresas chinesas e empresas dos PLP a expandir o seu mercado, de modo a terem melhor desenvolvimento.

A sessão de recepção entre as empresas do Interior da China e de Macau atraiu a participação de um bom número de empresas

A sessão de recepção entre as empresas do Interior da China e de Macau atraiu a participação de um bom número de empresas

Muitas empresas visam explorar oportunidades de negócio por via da plataforma do IIICF

Muitas empresas visam explorar oportunidades de negócio por via da plataforma do IIICF