Sendo o Conselho Chinês para a Promoção do Comércio Internacional (CCPIT, na sigla inglesa) um dos organizadores da 13.ª edição do “China Expo Forum for International Cooperation” (CEFCO 2017), o seu Vice Presidente, Dr.Wang Jinzhen constatou que a representatividade dos países participantes aumentou este ano, em comparação com as edições anteriores. Registaram-se ainda muitas particularidades, desde o conteúdo discutido nas reuniões a outras actividades do evento, o que permitiu aos intervenientes ter um conhecimento mais completo das vantagens da indústria MICE de Macau. Ao mesmo tempo, a presente edição do Fórum destaca-se pela participação de representantes dos Países de Língua Portuguesa, facto esse que contribuirá para uma melhor cooperação entre a China e estes países. Por outro lado, alguns participantes provenientes dos Países de Língua Portuguesa deram o seu reconhcimento aos recursos de hardware e software pelas suas funcionalidades abrangentes, propondo que Macau deve lutar pela realização de outras convenções internacionais no território.

Organizado conjuntamente pelo CCPIT, pela Associação Global da Indústria de Exposições (UFI, na sigla inglesa), pela Associação Internacional de Exposições e Eventos (IAEE, na sigla inglesa) e pela Sociedade de Organizadores Independentes de Eventos (SISO, na sigla inglesa), com a coordenação da Câmara de Comércio Internacional da China (CCIC, na sigla inglesa) e do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM), o CEFCO continou a realizar várias reuniões hoje (dia 13). Para amanhã, dia 14, está marcada pelos organizadores e coordenadores do CEFCO 2017 uma visita, para que os intervenientes conheçam as instalações de MICE e experienciem a vivência da cultura turística característica de Macau.

Segundo o Dr. Wang Jinzhen, a presente edição já é a 13.ª do CEFCO desde a sua primeira realização. O objectivo principal prende-se com o reforço do desenvolvimento estável da indústria MICE nacional e internacional. O Fórum tem lugar todos os anos em cidades diferentes e este ano decorre em Macau. O presente evento, através do esforço conjunto dos organismos governamentais do Interior da China bem como do Governo da RAEM, atraiu a presença de mais de 800 pessoas oriundas de 25 países, entre as quais se encontram ainda os representantes dos Países de Língua Portuguesa, o que testemunha suficientemente o empenho por parte do Governo da RAEM, particularmente do IPIM, mas também de outras entidades. Simultaneamente, o conteúdo abordado nas reuniões assim como outras actividades do evento apresentam também muitas particularidades; em geral, os temas são diversificados, relacionando-se com a integração do micro e macro-desenvolvimento da indústria MICE. Com a instalação da área de exposições e negociação para as empresas MICE de Macau, os participantes no Fórum podem conhecer mais profundamente os serviços fornecidos por este sector.

O Vice-Presidente do CCPIT acrescentou ainda que Macau é um ponto-chave na iniciativa de “Uma Faixa, Uma Rota”, fazendo fronteira com o Interior da China e tendo ligação próxima ao Delta do Rios das Pérolas e ao Delta do Rio Yangtze bem como ligações íntimas com o estrangeiro, sobretudo com os Países de Língua Portuguesa; por outro lado, o Governo da RAEM tem direccionado um grande apoio a nível de políticas para o desenvolvimento da indústria MICE, incluindo particularmente os trabalhos no âmbito do desenvolvimento da mesma no Plano Quinquenal de Desenvolvimento da RAEM (2016-2020). Ao olhar para o futuro, o Vice-Presidente sugeriu que Macau pode dedicar-se mais ao desenvolvimento da indústria MICE ao mais alto nível, começando por covençoes da alta qualidade e de seguida exposições do mesmo género, acreditando que essa iniciativa irá exercer um efeito positivo no desenvolvimento estável e contínuo da economia de Macau.

Oportunidades encontram-se por toda a parte nos Países de Língua PortuguesaSendo a cidade anfitriã da presente edição do Fórum, Macau aproveitou as suas vantagens enquanto Plataforma de Serviços para a Cooperação Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, conseguindo a participação de representantes dos Países de Língua Portuguesa. O Dr. Wang Jinzhen considerou que, sendo que a maioria dos Países de Língua Portuguesa são países emergentes ou em desenvolvimento, as oportunidades encontram-se por toda a parte. Assim sendo, ao participar no CEFCO, os representantes dos Países de Língua Portuguêsa podem, por um lado, ter conhecimento do papel do sector MICE na economia e, por outro lado, estudar aprofundadamente a questão ou convidar mais organizadores de convenções e exposições chineses para a realização de eventos nos seus países. Além disso, referiu que no ano anterior os organizadores de convenções e exposições chineses organizaram cerca de 600 eventos em 36 países do percurso de “Uma Faixa, Uma Rota” e calculou que o número aumentaria este ano. Tendo em conta que alguns Países de Língua Portuguesa se situam no percurso de “Uma Faixa, Uma Rota”, os mesmos podem usufruir do CEFCO e de Macau enquanto plataforma de cooperação entre a China e os Países de Língua Portuguesa, e a cooperação entre os países que fazem parte de “Uma Faixa, Uma Rota” será reforçada ainda mais.

Uma representante dos Países de Língua Portuguesa, oriunda de Lisboa, em Portugal, a Sra. Laura Vidal, afirmou ter sido esta a sua primeira visita a Macau e também a sua primeira participação no CEFCO, acrescentando que o ambiente lhe é familiar, sobretudo por Macau ter conservado o estilo português de arquitectura e a língua portuguesa ser um dos idiomas oficiais, e por outro lado especial pela particularidade de Macau fazer fronteira com o Interior da China, mas mantendo em simultâneo uma relação estreita com os Paíes de Língua Portuguesa, acabando por desempenhar um papel de ponte que liga as duas partes. Acrescentou também que através da participação no CEFCO, não foi apenas possível estabelecer contactos com convidados empresariais oriundos do Interior da China e dos quatros cantos do mundo, mas também observar os novos desenvolvimentos de Macau, manifestando ainda a intenção de entrar no mercado do Interior da China com a utilização de Macau como plataforma.

Sugestão de Macau lutar pela realização de outras convenções internacionais de grande escala no território

A representante do Centro Internacional de Cultura (CIC), Sra. Gabriela Faria de Oliveira, que organiza actividades de intercâmbio cultural nos Países de Língua Portuguesa, teve também a sua primeira experiência neste Fórum. Ela considerou que ao reunir membros da indústria MICE e de outras indústrias relaciondas, o Fórum criou condições favoráveis ao intercâmbio e cooperação entre indústrias. Através da participação no CEFCO 2017, constatou que os recursos de hardware e software do sector MICE são abrangentes, propondo que Macau pode tentar lutar pela realização de “Web Summit” no seu território.

Enquanto participante da “Mesa-Redonda Global de CEOs”, o Sr. Gerd Weber, assessor superior da empresa JWC Consultoria, mostrou a sua satisfação com o resultado conseguido neste CEFCO, e aplaudiu o profissionalismo do evento. Referiu também como pontos positivos o ambiente de investimento e a abundância de instalações recreativas, e que durante a participação no Fórum, seria possível conhecer melhor o ambiente de investimento e turismo no território.

Vice-presidente do Conselho para a Promoção do Comércio Internacional da China (CCPIT), Sr. Wang Jinzhen.

Vice-presidente do Conselho para a Promoção do Comércio Internacional da China (CCPIT), Sr. Wang Jinzhen.

Laura Vidal e Gabriela Faria de Oliveira participaram no CEFCO pela primeira vez.

Laura Vidal e Gabriela Faria de Oliveira participaram no CEFCO pela primeira vez.

Assessor superior da empresa de JWC Consultoria, Sr.Gerd Weber

Assessor superior da empresa de JWC Consultoria, Sr.Gerd Weber

O CEFCO 2017 continua com várias reuniões no segundo dia

O CEFCO 2017 continua com várias reuniões no segundo dia